Turismo Social - Conceito que estimula contatos com novas paisagens, realidades e identidades

Há um turismo que mostra algo mais do que o catálogo convencional das agências tem para oferecer. O chamado turismo social é um conceito que estimula contatos com novas paisagens, realidades e identidades, propondo maior acessibilidade a quem tem poucos recursos para viajar, e também estimulando uma nova forma de ver e pensar os pontos turísticos. São atividades que procuram inovar, ao mesmo tempo em que agregam cultura e lazer aos passeios - e em alguns casos, ações de cunho social. São ideias novas para levar na bagagem.



Parque dos Dinossauros foi iniciado em 2017 no povoado de Santo Antônio da Cobra, em Parelhas, pelas mãos do escultor Iron Garcia. A Organização Internacional de Turismo Social foi criada em 1963 e define a atividade como um valioso impulso para o desenvolvimento econômico local e regional, além de aliado na promoção de programas assistenciais mundiais, tendo em vista propostas de integração pedagógica, humanitária e cultural. Uma oportunidade de lazer que também integra. Uma pesquisa feita pela ONU em 2015 levantou que mais de um bilhão de pessoas já aderiu voluntariamente às atividades do turismo social.

O novo projeto de turismo social do Sesc em território potiguar está apontando o Seridó como destino. Será no dia 26 de outubro, com destino à Mina Brejuí, em Currais Novos, e ao Parque dos Dinossauros, em Parelhas. O passeio tem como público-alvo o trabalhador do comércio, de bens, serviços e turismos, e seus dependentes. O público em geral tem acesso de 5 a 10% das vagas que são disponibilizadas quando não é atendido todo o público comerciário. As inscrições podem ser feitas até 22 de outubro nas centrais de relacionamento do Sesc.


“O intuito é possibilitar o acesso ao lazer com conforto e comodidade, em que geralmente estão inclusos todos os serviços na taxa cobrada no passeio ou excurso. Essa atividade não visa lucro e tem propositalmente os valores mais acessíveis”, explica Fernando Virgílio, diretor regional do Sesc RN. Ele ressalta que são escolhidos roteiros com um olhar voltado aos aspectos educacionais e culturais da localidade, com destinos ainda pouco explorados. “É uma forma de também contribuir para o crescimento das cidades visitadas. É um turismo que leva conhecimento e agrega a cultura com o lazer, buscando sempre roteiros inovadores”, completa.

Pedras e dinossauros A Mina Brejuí, em Currais Novos, está localizada a cerca de 185 km de Natal. É considerada a maior mina de xelita (ou scheelita) da América do Sul. No local também tem um museu e um memorial que representam amostras das riquezas minerais da região. A mina começou a ser explorada em 1943 e se tornou uma empresa em 54, sob o nome de Mineração Tomaz Salustino S/A. Foi um lugar importante para a economia potiguar. Além da recente volta às atividades minerais, a Mina Brejuí tornou-se nos últimos anos o maior parque temático do estado, sendo visitada diariamente por turistas e estudantes vindos de toda parte do Brasil e exterior. São mais de 20 mil turistas nos últimos anos. Já o Parque dos Dinossauros, iniciado em 2017 no povoado de Santo Antônio da Cobra, zona rural de Parelhas, virou uma atração turística instantânea. Todo mundo quer ver as estátuas de dinossauros feitas pelo pintor e escultor Iron Garcia. Os répteis ancestrais são feitos de cimento, ferro e malha, alguns com até sete metros de altura. Além dos muitos dinos espalhados pela área, há também uma área de lazer com restaurante e piscina onde os visitantes - principalmente as crianças – se esbaldam. O parque jurássico da caatinga é um cenário irresistível para tirar muitas fotos e selfies.


Fernando Virgílio ressalta que o turismo social visa proporcionar novas oportunidades de lazer, integração pessoal e enriquecimento cultural por meio de excursões e passeios de curta, média ou longa duração, portanto, a instituição objetiva criar possibilidades para que as pessoas conheçam melhor o Brasil, democratizando o acesso a viagens, passeios e hospedagem. O diretor afirma que o Sesc também está analisando a possibilidade de agregar um destino com alguma base comunitária, de forma a oportunizar a interação do grupo com a comunidade. Os próximos roteiros do turismo social do Sesc já estão sendo traçados, segundo Fernando Virgílio. Ele destaca Diego Lopes, Galinhos, e Patu com Serra do Lima. Há também projetos de cunho mais histórico e cultural, como um roteiro para contar as histórias de Auta de Souza e Nísia Floresta, com direito a intervenções culturais. As informações estarão à disposição nas redes sociais da instituição.


Encantos criativos

O Sebrae se conectou com o conceito de turismo social através de projetos que apostam em práticas criativas locais e se tornam negócios sustentáveis a partir da junção de talentos e valores da área. Foi assim que o projeto Natal Encantos Criativos jogou sua lente sobre os bairros de Ponta Negra e Rocas, em 2016. Duas áreas conectadas pelo mar e pela tradição da pesca, bem como pela ancestralidade. Em Ponta Negra, o roteiro criado para a vila, suas rendeiras e seus passeios, ainda reverbera. “A proposta do Sebrae ao fomentar estas iniciativas é justamente para que o mercado e os empreendedores locais possam se apropriar e dar continuidade. Um excelente exemplo é a Tapiocaria da Vó, na Vila de Ponta Negra, integrante do Projeto Natal Encantos Criativos, que desenvolve diversas atividades, participa de feiras e eventos do setor de turismo, e vem recebendo grupos de turistas”, afirma Yves Guerra, gestor de turismo do Sebrae RN. Ele ressalta outras iniciativas, como o “Roteiro Seridó”, “Do Sertão para o Mar”, “Paraísos do Agreste”, e “Caminhos de Pium”.


Yves acredita que todas as regiões do estado possuem potencial turístico, mas que o RN pode ir além do sol e mar. Ele destaca a região do Seridó, que além de suas festas tradicionais, está se organizando para criar um Geoparque. A região/polo Agreste Trairí também está despontando com o turismo religioso, assim como a região de Serra de São Bento, Monte da Gameleiras e Passa e Fica, na divisa com a Paraíba. A mais nova iniciativa é o projeto “Investe Turismo – Rota Natal e Litoral”, com a proposta de unir forças entre setor público, instituições e iniciativa privada para preparar e promover a competitividade desses destinos. A rota engloba os municípios de Natal, Parnamirim, Extremoz, Maxaranguape, São Miguel do Gostoso, Touros, Tibau do Sul (incluindo a Praia de Pipa), Galinhos e Baia Formosa. Para o litoral norte, a ideia é potencializar a campanha que faz referência à teoria do descobrimento do Brasil pelo litoral potiguar #TudoComeçaAqui. “Estamos programando algumas ações para estimular esta temática”, conclui.


Via: tribunadonorte



Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square